Amigos.

Um belo resumo sobre a Batalha Naval do Riachuelo, que hoje comemora 149 anos, com ilustrações nos links que o seguem, de autoria do amigo Rafael Moura-Neves.

Esse é o lema adotado na nossa campanha contra o desarmamento civil, que também deve ser adotado contra a situação política do país.

 SoFqaVÉN! Sustentar o Fogo que a Vitória É Nossa!

Como o Almirante Barroso, também estamos em desvantagem, mas acredito que a razão está do  nosso lado.

Continuemos com nossa campanha junto aos deputados.

José Luiz de Sanctis

”"

11 de junho – 149 anos da Batalha Naval do Riachuelo

Amigas/os:

Em junho de 1865, o Paraguai já estava em guerra com o Brasil há 6 meses. Uruguaiana estava ocupada por 10.000 homens, e Corumbá, por 2.000. A Argentina perdera a Província de Corrientes. O Exército paraguaio tinha quase o dobro do efetivo das forças argentinas, brasileiras e uruguaias combinadas. Por outro lado, o potencial humano e econômico destes três países era maior, dando-lhes vantagem a médio prazo (motivos, pretextos e resultados da guerra não vêm ao caso para esta narrativa).

A chave das operações para os dois lados estava no controle do uso dos rios Paraná e Paraguai, que eram as principais artérias de comunicação da região. Se os paraguaios o conservassem, poderiam abastecer suas tropas e até avançar. Caso a Tríplice Aliança o conquistasse, seria possível anular as conquistas paraguaias e levar a guerra ao próprio Paraguai.

A Marinha Imperial era a maior da região, a melhor equipada, e tripulada por veteranos de guerras… contra uruguaios e argentinos! Desde a década de 1850 ela incorporara navios a vapor, a maioria para combates no mar, alguns fluviais. Portanto, se o Paraguai pretendia dominar o sistema fluvial, era necessário destruí-la como força efetiva.

O palco escolhido para esta operação foi a confluência dos rios Paraná e Riachuelo, ao sul da cidade de Corrientes. As 2a e 3a Divisões da Esquadra brasileira, sob o Chefe-de-Divisão (hoje Contra-Almirante) Francisco Manuel Barroso, estavam fundeadas no Paraná, dando cobertura a operações em terra. A margem esquerda (leste) do Paraná era ocupada pelos paraguaios, e em suas altas barrancas foram camuflados Batalhões de infantaria e Baterias de artilharia.

Às 09 h da manhã de 11 junho 1865, 9 vapores paraguaios, comandados pelo Capitão-de-Navio Ignácio Meza, aproximaram-se velozmente, aproveitando-se da correnteza favorável, e passaram pelos brasileiros, em direção do Riachuelo. A intenção original era abordar os navios brasileiros na madrugada. Porém um navio guarany teve avarias e as tentativas de reparos e falhas na preparação levaram a totalmente diverso tipo de combate. Foram primeiro avistados pela Canhoneira Mearim, que deu o alarme. Barroso, a bordo da Fragata Amazonas, deu ordem de suspender e perseguir o inimigo.

Às 09 h 25 min, com a batalha a começar, Barroso mandou hastear no mastro da Amazonas o sinal “O Brasil espera que cada um cumpra o seu dever”, seguido de outro, com instruções de combate: “Atacar e destruir o inimigo o mais de perto que cada um puder”. Foi então que as tropas paraguaias em terra subitamente abriram fogo. A situação tornou-se confusa e perigosa para os navios brasileiros, que também viram-se atacados por chatas artilhadas rebocadas pelos vapores paraguaios, e encontraram bancos de areia desconhecidos, num ponto onde o Paraná tem cerca de 200 m de largura e várias ilhas.

As Canhoneiras Jequitinhonha e.Parnahyba encalharam. A primeira, apesar de atacada por três navios paraguaios, conseguiu manter todos, e mais canoas com infantes, à distância. Já a Parnahyba não teve tanta sorte. Os vapores .Paraguary, .Tacuary .e .Salto acostaram e seus tripulantes abordaram a canhoneira, com certa dificuldade devido a ser um navio de mar com bordos altos. A luta no convés foi intensa, por mais de uma hora, pois os brasileiros recusaram-se a render o navio. Entre os mortos, estavam o Guarda-Marinha João Greenhalgh, o Imperial Marinheiro Marcílio Dias e dois oficiais do 9o Batalhão de Infantaria do Exército, o Capitão Pedro Afonso Ferreira e o Tenente Feliciano Maia (o Batalhão estava embarcado na Esquadra, juntamente com uma Bateria do 1o de Artilharia, tanto para ação naval quanto para eventuais desembarques). Cerca de 400 Fuzileiros e Artilheiros do então Batalhão Naval (atual Corpo de Fuzileiros Navais) também participaram da batalha, em todos os navios brasileiros. Os Soldados José Alves, Hilário Pereira e Zeferino Leite de Oliveira morreram em combate, e o Sargento Augusto Pires Ferreira foi mencionado em despachos por sua bravura.

Por fim, Barroso acorreu, com a Fragata Amazonas e as Canhoneiras Ipiranga, Mearim, Iguatemi, Araguari e Beberibe (a Belmonte estava isolada e sob fogo das baterias em terra), repelindo os navios paraguaios e socorrendo a Parnahyba. A perda desta foi assim evitada. As chatas paraguaias, levadas pela correnteza ou com a munição esgotada, representavam menos perigo. Barroso decidiu bombardear as posições paraguaias em terra com sua Divisão, causando grandes danos e perdas. Então, aproveitando o fato de sua fragata ter rodas laterais de propulsão, construção sólida a borda livre mais alta, ele atacou diretamente os navios paraguaios, abalroando-os com sua proa. Neste momento, subiu seu terceiro e último sinal tático na batalha: “Sustentar o Fogo que a Vitória É Nossa”!

A Amazonas atingiu, e pôs a pique, três navios paraguaios: o Jejuy, o Salto.e o ex-Marquês de Olinda (este era um navio brasileiro capturado a 12 de novembro de 1864, num dos pretextos para o início da guerra; três 3 navios argentinos haviam sido igualmente apresados), tendo ficado desgovernado e encalhado o Paraguary. O Capitão Meza, diante desta situação, e gravemente ferido (ele morreu alguns dias depois), retirou-se com os quatro 4 navios que lhe restavam (o Tacuary, o Ygurey, o Yporá e o Pirabebé) rio acima, em direção ao Paraguai. Após quase 10 horas de combates, a Batalha Naval do Riachuelo estava terminada.

Barroso conquistara uma incrível vitória tática, apesar de grandes desvantagens. Nenhum navio brasileiro foi destruído ou capturado (a Jequitinhonha foi incendiada e abandonada no dia seguinte), apesar de encalhes, abordagens, superioridade inimiga, e das perdas de 74 mortos e 142 feridos (os paraguaios também lutaram corajosamente, com baixas de pelo menos 400 mortos e 1.000 feridos na Esquadra e em terra).

Estrategicamente, o resultado foi excelente, pois as tropas paraguaias em Uruguaiana foram forçadas a se renderem a 19 de setembro, Corrientes foi em grande parte liberada, e a Marinha paraguaia não mais desempenhou qualquer papel na guerra. Os aliados passaram a dominar totalmente a navegação fluvial fora do Paraguai, com grande liberdade de ação e logística. Foi possível montar o acampamento de Tuiuti, base de operações por dous 2 anos e local das duas maiores batalhas campais da América Latina.

A Batalha Naval do Riachuelo só não foi totalmente decisiva devido à poderosa Fortaleza de Humaitá, transposta apenas a 19 fev. 1868. A partir de então, a guerra ainda durou mais de dois anos…

Eis os Sinais de Barroso:

https://www.mar.mil.br/dphdm/pesq/barroso/sinais.htm   
As mensagens foram compostas através do Regimento de Signaes de 1858 então em uso. As bandeiras podiam transmitir avisos gerais de navegação e instruções de combate, neste caso em combinações conhecidas apenas pelo pessoal naval brasileiro.

Estas imagens muito esclarecem:

http://commons.wikimedia.org/wiki/Image:Bataille_de_Riachuelo.jpg
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/2d/Bataille_de_Riachuelo.jpg
http://www.boardgamegeek.com/game/27457
http://images.boardgamegeek.com/images/pic182046_mt.jpg
http://images.boardgamegeek.com/images/pic177211_mt.jpg

http://www.hoycorrientes.com/galeria/satareabatriachfc0.jpg
https://www.mar.mil.br/menu_h/noticias/batalha_naval_riachuelo/11jun06/imagens/local_batalha.jpg
http://images.boardgamegeek.com/images/pic182046_md.jpg
http://images.boardgamegeek.com/images/pic177211_md.jpg

Francisco Manuel Barroso da Silva era filho de Teodósio Manuel Barroso da Silva e nascera em Lisboa em 1804. Seu pai veio para o Brasil em 1808 como Capitão da Brigada Real da Marinha, comandante de uma Bateria na nau-capitânea Príncipe Real durante a Transmigração da Família Real Portuguesa. Aquando do retorno da Brigada a Portugal em 1821 um Batalhão e sua Música Marcial no Brasil remanesceram. Tal força é a antecessora mais direta do atual Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil e de sua Companhia de Bandas. Teodósio Barroso também aqui permaneceu e chegou ao posto de Tenente-Coronel, enquanto seu filho Francisco Manuel Barroso foi feito Barão do Amazonas em 1866 (o título referia-se a sua nau-capitânia em Riachuelo). Permaneceu em comandos táticos e estratégicos da Marinha durante a guerra e mais tarde retirou-se da Marinha no posto de Almirante.

SoFqaVÉN! Sustentar o Fogo que a Vitória É Nossa!

O Brasil espera que cada um cumpra o seu dever
”Atacar e destruir o inimigo o mais de perto que cada um puder”

Sustentar o Fogo que a Vitória É Nossa  .
(sinais do Chefe-de-Divisão (hoje Contra-Almirante) Francisco Manuel Barroso, mais tarde Barão do Amazonas, à Esquadra brasileira, durante a Batalha Naval do Riachuelo, a 11 de junho de 1865).

ADSUMUS! 

Significado: https://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070615122221AAF01SL

SoFqaVÉN!

ADSUMUS!

ULTIMA RATIO REGIS!

Rafael Moura-Neves  –  MAM BHist

Trackback

2 comments untill now

  1. Werner Gilberto Zimmer @ 2014-06-11 21:14

    Meus cumprimentos aos herdeiros de tão valiosos feitos, meus cumprimentos pela data. Werner Gilberto Zimmer, Ten. Cel. Inf. Aer. .Ref

  2. Marcelo Zarvos Linhares @ 2014-06-12 21:49

    Ótimo relato.
    É importante a divulgação desses fatos que ocorreram na nossa história,tão rica.
    Infelizmente o atuais governantes de mentalidade esquerdista deixaram de ensinar aos jovens esses feitos heróicos, por puro preconceito contra os militares que sempre socorreram o Brasil.
    O patriotismo e a história(aqui deturpada atualmente) tão levados a sério nas nações desenvolvidas,aqui se perdem infelizmente por obra e graça desses governos de esquerda; predadores.

Add your comment now


× cinco = 40