[img:logoultimainstancia.gif,thumb,alinhar_esq_caixa]
    O Ministério Público Federal em São Paulo ajuizou ação civil pública, com pedido de liminar, para que a União seja condenada a realizar a interligação e o compartilhamento efetivo dos dados do Sigma (Sistema de Gerenciamento de Armas Militares), de responsabilidade do Exército, ao Sinarm (Sistema Nacional de Armas), da Polícia Federal, no prazo máximo de um mês.

    A medida já está prevista desde 2004, conforme determina o artigo 9º do Decreto 5.123/04.

    O decreto, que regulamentou o Estatuto do Desarmamento, prevê em seu artigo 9º que os dados do Sinarm e do Sigma serão interligados e compartilhados no prazo máximo de um ano.

    Como foi determinado pelo estatuto, o Sinarm é o sistema geral de armas, sendo o Sigma exceção vinculada às especificações das Forças Armadas. Pelo estatuto, o Sinarm deve centralizar todas as informações sobre a vida útil da arma, como aquisição e posse.

    O Sigma possui dados das Forças Armadas, das polícias militares e corpos de Bombeiros, de armas importadas ou adquiridas no país para fins de teste ou avaliação técnica, armas obsoletas além de armas de outras agências governamentais, como a Agência Brasileira de Inteligência.

    Todos esses dados estão bloqueados para o acesso pelo Sinarm e, conseqüentemente, impedem a possibilidade de acompanhamento e visibilidade da arma para o poder público e o rastreamento de sua vida no interesse da prevenção e repressão de crimes.

    Sem essa integração dos bancos de dados, uma arma de um policial militar envolvida em um incidente não constará no cadastro do Sinarm e assim poderá atrapalhar a apuração de uma investigação, não permitindo saber a procedência e a sua situação em função desse bloqueio.

    Para o procurador da República Márcio Schusterschitz da Silva Araújo, autor da ação, o problema da arma de fogo tem de ser tratado como questão de segurança pública: “A integração dos bancos de dados é o início de conversa”.

    Terça-feira, 18 de março de 2008

Trackback

3 comments untill now

  1. Marcelo Pereira @ 2008-04-08 12:00

    O Ministério Público Federal atira no que pensa enxergar e acerta o que não está vendo. Deveria se preocupar com suas funções institucionais, principalmente com a persecução penal nos crimes praticados contra a União, ao invés de interferir em assuntos que não entende. Não percebe que a integração em questão vai possibilitar um controle político da polícia federal sobre as armas do SIGMA, o que é péssimo para todas as pessoas honestas que são colecionadores e atiradores.

  2. Nelson Martins de Assis Brasil @ 2008-04-10 22:44

    Olá pessoal,
    gostaria de saber o que os autores do maldito ED pretendem fazer para rastrear e controlar as armas dos criminosos. Que eles parem de fingir que trabalham! Nelson.

  3. Marcelo Pereira @ 2008-04-11 16:28

    A questão é que o governo comunista do pt não quer retirar as armas dos criminosos, pois entende que estes são vítimas da sociedade e podem nos expropriar. O que tal governo pretende é desarmar os que eles consideram “burguesia”, ou seja, as pessoas honestas que pagam impostos para sustentar essa quadrilha federal.

Add your comment now


× seis = 6