Pedro Peduzzi
Repórter da Agência Brasil

Em nota distribuída durante o seminário, o ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, reafirma que o governo pretende transformar a campanha de desarmamento em política de estado. Segundo ele, essa será uma das principais ferramentas de estímulo para que as pessoas se envolvam com a causa. A campanha, afirma o ministro, será como a campanha de vacinação: uma política pública realizada todos os anos em benefício social.

As campanhas feitas no Brasil recolheram mais de meio milhão de armas. É a segunda maior já feita em todo o mundo, em número de armas recebidas. Na comparação com outros países, o Brasil ocupa posição de destaque por ter inovado ao instalar em igrejas e ONGs postos de recolhimento que danificam as armas a marretadas, no momento da entrega.

Dessa forma, avaliam as autoridades, as campanhas deram maior confiança ao cidadão de que suas armas seriam, de fato, destruídas, diminuindo o risco de pararem nas mãos de bandidos.

Segundo o Ministério da Justiça, os homicídios por arma de fogo caíram 11% entre 2003, quando o Estatuto do Desarmamento foi aprovado, e 2009. Dados da Viva Rio indicam que muitas das armas usadas para a prática criminosa são roubadas de residências. Dados da Polícia Federal afirmam que, só em 2003, mais de 27 mil armas foram furtadas ou roubadas dessa forma.

Leia a íntegra da notícia

,
Trackback

2 comments untill now

  1. Plinio de Marco C. Jr. @ 2010-10-22 15:32

    Deveriam era fazer política de estado para
    impedir políticos ladrões e imbecis desarmamentistas,
    que ocupam cargos no governinho comunista, que insiste em ouvir ONGS que recebem dinheiro de fora para tentar enganar o povo!
    VÃO PROCURAR ALGO DE BOM PRA FAZER!!!!!!!!

  2. Luís Augusto Panadés @ 2010-11-12 03:58

    Estas estatísticas estão afiançadas pelo selo de validade da nota de 3 dólares portanto podemos ficar tranqüilos quando a sua correção… rsssssss

Add your comment now


+ 5 = nove