Prezado participante do PLD.

Os despautérios dos desarmamentistas não tem limites. Leiam na reportagem (link abaixo) o disparate dito na visita numa delegacia de Aracaju, Sergipe, pelo encarregado local do processo de emasculação do brasileiro promovido pelo governo. Um amigo adjetiva essas campanhas como pajelança. Creio não haver qualificação melhor.

http://www.infonet.com.br/cidade/ler.asp?id=127927

“O cidadão de bem, o pai de família que tem sua arma em casa e que tem interesse em entregar voluntariamente, deve fazer para que não incorra em crime de porte de arma, pois ele não é um cidadão de bem estando armado. A arma não foi feita para se defender”, entende Fábio Costa.

Através de uma falsa informação e com evidente má-fé, o sujeito tenta fazer crer que todo proprietário de arma pode incorrer em crime.

Quem tem arma legalizada em casa não incorre em crime algum. Aquele que por ventura tenha uma arma não registrada, incorrem em crime de posse ilegal e não porte ilegal.

O autor da caluniosa frase considera o proprietário legal de uma arma um potencial bandido, um cidadão do mal. Praticamente declara ser o brasileiro um idiota e incapaz de ter e manusear uma arma em legítima defesa.

A arma foi feita para se defender sim, contra uma agressão injusta, defender a vida e a propriedade.

Quanto ao desarmamento e prisão de bandidos e a fiscalização das fronteiras, nenhuma palavra.

Continuam a usar as mesmas mentiras rechaçadas pela população no referendo de 2005.

Portanto, não entreguem suas armas e orientem outros proprietários a não fazê-lo.

Peço que acessem o link e comentem o absurdo.

Saudações.

José Luiz de Sanctis

Coord. Nacional

, ,
Trackback

8 comments untill now

  1. Jorge A. de Lacerda @ 2012-05-11 21:27

    Que tal o indivíduo de Aracajú ir passear na Praia de Boa Viagem (calçadão) no período noturno, com toda a sua família, como um verdadeiro turista?…Vale dizer, armado, somente, de uma máquina fotográfica!…

  2. Esse indivíduo precisa saber que quando ele estiver numa situação de perigo (ou alguém de sua família), ele, com toda a certeza, irá pedir para não ir para o além e, com mais certeza ainda, desejará ter uma arma para se defender.
    Ainda mais, EU sou um CIDADÃO DE BEM e refuto com vêemência o declarado por tal indivíduo.

  3. No momento atual, diante de tanta corrupção, tráfico de drogas, políciais se aliando a bandidos, eu quero ter o poder de dissuasão e de deterrência, para defender a mim e à minha família.

  4. Celestino Melis @ 2012-05-11 23:42

    Tenho 59 anos, formado, pos graduado e com mestrado. Vivi 11 anos fora do Brasil e tenho uma visao mundial sobre armas que me mostraram que 99% das vezes que a pessoa declara algo totalmente idiota como fez o brasileiro (espero que o seja), Fabio, ela em geral tem origem na ignorancia ou no medo tradicional que os governos totalitarios (em geral de esquerda),tem de ver a populacao honesta armada e capaz de se defender.Exemplo : Suica : Todo cidadao do 18 aos 55 anos de idade eh membro da reserva das forcas armadas, TODOS tem em casa uma pistola com 50 balas e um rifle automatico com 200 balas. Resultado : Um dos paises com menos indice de crime no mundo. Precisa mais ?

  5. J CLÁUDIO DE C VARGAS @ 2012-05-12 16:33

    Náo. De bem saão os que estão armados de modo ilegal. De bem são os que insistem em querer impedir a auto defesa.
    De bem são os que urdem contra a liberdade de expressão. Aqueles que querem a sociedade desarmadas até da manifestação de seus pensamentos.
    ESSES DEVEM SER OS HOMENS DE BEM QUE ESTE AUTOR DEFENDE.

  6. EDI JACI DE OLIVEIRA PEREIRA @ 2012-05-13 10:42

    ORA ESSA ! QUER DIZER QUE SOU CIDADÃ SOMENTE PARA PAGAR IMPOSTOS ???!!! DESDE 1984 TENHO MINHA ARMA , LEGALMENTE COMPRADA E REGISTRADA ! SEI US´-LA , TENHO CURSOS !!! E CONTINUAREI COM ELA E ELA COMIGO !!!

    É ISSO E PONTO FINAL !!!

  7. é terrível os nossos direitos nao serem respeitados,o brasileiro ja mostrou qual a sua vontade e anseio no plebiscito dizendo nao ao desarmamento e ainda assim continuam tentando nos desarmar, isso é uma tremenda falta de respeito com o povo brasileiro.

  8. Sou de uma cidade interiorana, onde vivi minha infância tendo acesso a arma de caça e armas de defesa como uma coisa extremamente normal, tão normal que, com apenas 13 anos, era costumeiro passar em frente a uma delegacia de polícia com uma espingarda calibre 12 (hoje erroneamente chamada de escopeta), com uma cartucheira com capacidade para 28 cartuchos totalmente municiada sem ter o menor problema com os policiais. Época essa, em que os cidadãos se respeitavam.

Add your comment now


oito + 8 =