Entrevista com o Prof. Dr. Adilson de Abreu Dallari

No próximo domingo, 05/05, às 20:00 horas, irá ao ar pela Rede Vida uma entrevista com o Prof. Dr. Adilson de Abreu Dallari gravada no escritório do Prof. Dr. Ives Gandra da Silva Martins.

O Prof. Adilson Dallari dispensa apresentações, mas é importante ressaltarmos a sua firme posição em defesa do direito de propriedade e do porte de armas de fogo para legítima defesa e de sua importante participação na campanha do referendo de 2005.

Depois disso, a entrevista estará à disposição no site www.gandramartins.adv.br , no link Anatomia do Poder.

A entrevista será sobre administração pública mas no final o Prof. Adilson Dallari abordará a inconstitucionalidade da Lei 10.826/2003, por desrespeitar o resultado do referendo de 2005, bem como a situação de total insegurança que estamos vivendo.

Não percam!

 Venda de armas para EUA sobe 187,5% na gestão Lula

Devido as dificuldades legais  impostas aos brasileiros para comprar uma arma, a alternativa da indústria nacional é exportar. Outro fator é a tentativa antidemocrática e falaciosa do governo americano em tentar restringir o comércio de armas naquele país, fazendo com que haja uma corrida às lojas.

Alegações dos desarmamentistas de que armas são re-exportadas a regimes que não respeitam os direitos humanos são a desculpa para tentarem aprovar um tratado internacional sobre o comércio de armas na ONU, tratado esse que só afetará o cidadão de bem.

Os congressistas americanos já rejeitaram esse tratado, mas o Brasil assinou e aqui teremos que travar uma enorme batalha para evitar que nossos congresistas ratifiquem esse medida autoritária.

Quanto ao financiamento de campanhas eleitoraris, não há ilegalidade nenhuma nisso, mas alimentar tigres esperando que eles se tornem nossos amigos não é uma boa estratégia.

Segue íntegra da notícia:

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2013/04/1270355-venda-de-armas-para-eua-sobe-1875-na-gestao-lula.shtml

Venda de armas para EUA sobe 187,5% na gestão Lula

RUBENS VALENTE – DE BRASÍLIA
Os Estados Unidos, que discutem restrições ao comércio de armamentos, adquiriram 7,9 milhões de armas de fogo do Brasil nos últimos 40 anos, e  59% desse total foi exportado durante o governo Lula (2003-2010).

É o que indica um levantamento inédito do Comando do Exército obtido pela Folha por meio da Lei de Acesso à Informação, com o registro detalhado de vendedores e compradores de 9,9 milhões de revólveres, pistolas, carabinas e espingardas, entre outras armas, enviadas para  fora do Brasil de 1971 a 2011.

A exportação dos armamentos brasileiros para os EUA aumentou 187,5% nos oito anos do governo Lula em comparação com o mesmo período do governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). De 2003 a 2010, as indústrias brasileiras destinaram ao território norte-americano um total de 4,6 milhões de armas, o suficiente para armar a população inteira de países como Noruega e Croácia.

Demétrius Daffara/Editoria de Arte/Folhapress

Em 2011, o Brasil foi o líder das exportações para os EUA, com 846 mil armas de fogo, à frente da Áustria (a segunda colocada com 522 mil) e da
Alemanha (a terceira, com 313 mil).

O raio x das exportações revela que três empresas criadas nos EUA pelas fabricantes brasileiras Forjas Taurus e Amadeo Rossi adquiriram a maior parte das armas que entraram naquele mercado.

As fabricantes não informam ao governo brasileiro o destino final dessas  armas, o que afastaria a hipótese de que estejam sendo redirecionadas a  outras países.

Alegando sigilo comercial, a Taurus se recusou a informar à Folha quem são os clientes das suas subsidiárias norte-americanas.

Para especialistas no tema, a reexportação é um fenômeno bastante conhecido. De acordo com eles, centenas de armas fabricadas pela Taurus
foram achadas num depósito em Trípoli após a queda do ditador Muammar Gaddafi.

Contudo, no levantamento obtido pela Folha há o registro da venda de apenas duas armas para a Líbia.

Maria Laura Canineu, diretora da ONG Human Rights Watch para o Brasil, afirmou que o país chegou a defender, nas discussões do novo tratado global para comércio de armas, aprovado neste ano na ONU (Organização das Nações Unidas), a exigência de que o exportador emita um certificado  de “utilizador final” da arma, mas a versão final do tratado acabou ficando “frágil nesse sentido”, sem “uma exigência clara”.

Segundo Maria Laura, a nova Lei de Acesso representa um avanço, mas o Brasil “tem enfrentado severas críticas pela falta de transparência na
exportação de armas”.

A quarta maior compradora nos EUA dos produtos brasileiros foi a Springfield Incorporation, uma conhecida apoiadora da Associação  Nacional do Rifle (NRA, na sigla em inglês). Há duas semanas, uma proposta de regulação do presidente Barack Obama foi recusada pelo  Congresso.

O poder de fogo político das fabricantes brasileiras também se revela em  tempos de eleição. Duas empresas e uma associação do setor doaram R$ 3  milhões a candidatos diversos na disputa eleitoral de 2010, incluindo R$  500 mil para a direção nacional do PT e R$ 200 mil para a campanha que elegeu Dilma Rousseff.

Abaixo dos EUA, os principais destinos das exportações brasileiras foram, em números aproximados, a Argentina (215 mil armas), Paraguai
(154 mil), Iêmen (112 mil) e Alemanha (109 mil).

Com uma receita de R$ 701 milhões e lucro líquido de R$ 42 milhões em 2012, a Taurus, sediada no Rio Grande do Sul, foi responsável por mais
de 50% das exportações brasileiras nos últimos 40 anos. No relatório de administração do ano passado, a empresa informou que 60% de sua produção  foi para o exterior. Desse volume, 88% teve como destino os EUA, o que correspondeu a cerca da metade de sua receita no período.

Colaborou MÁRCIO NEVES, de Brasília

Editoria de Arte/Folhapress

José Luiz de Sanctis

Coord. Nacional

, , , ,
Trackback

5 comments untill now

  1. Rodolpho Villas Boas Neto @ 2013-05-03 00:12

    Me revolta ver o Nosso Patrimonio Bélico como as Armas da Rossi ,Taurus ,Imbel serem Fabricadas para Gringos comprarem pois la na terrinha do Tio Sam terra das Colt,s , Smith & Wesson, entre tantas outras Norte Americanos que são respeitados no seu Direito Sagrado Inviolavel e Inalienavel a Legitima Defesa auto de Proteção de si e de sua Familia de sua Casa e de seus Bems Materais adiquiridos com muitos Esforços aqui no Brasil sofremos iguais a Condenados sem Direito a Ultimo Pedido e nem Podemos nos Defender comprando Armas feitas e Fabricadas em Nosso Solo Triste e extremamente absurdo

  2. Jefferson de Oliveira Junior @ 2013-05-03 11:47

    Os estrangeiros se defendem da bandidagem com armas brasileiras vendidas lá a preços módicos, enquanto os brasileiros morrem aos milhares, sem qualquer chance de defesa, devido a esta ideologia política idiota que retira o poder de defesa do cidadão honesto.

  3. Eloir M Marcelino @ 2013-05-03 17:13

    É uma tremenda incoerência servirmos outros mercados com armas e somos quase que forçados a entregar as nossas. É isso que o PT quer tirar todos os direitos dos cidadãos e implantar uma ditadura.

  4. A polícia vivia na televisão dizendo ao povo brasileiro que não reaja a um assalto, porque você levaria desvantagem e poderia ser morto, pois bem, as ultimas noticias dão conta que as pessoas não reagem e estão sendo mortas da mesma maneira, E agora pessoal, o que deveremos fazer……..Tá na hora do povo brasileiro se revoltar com esses políticos e exigir que mudem essa lei do desarmamento, PRECISAMOS NOS DEFENDER…….

  5. Agostinho @ 2013-05-06 15:20

    Senhores,

    Estive na Argentina de férias e entrei numa loja de armas para ver o que eles tinham para vender.
    Perguntei ao vendedor como eu faria para comprar uma arma lá, o mesmo disse: -Você tem que ir ao
    Consulado Brasileiro para obter uma permissão para comprar armas aqui”.
    Na Argentina está acontecendo o mesmo que no Brasil, o governo Argentino está dificultando o acesso as armas.
    Não é só o PT, também o PSDB, nosso Governador Alckmin
    também defende.
    Por isso que no Estado de São Paulo tem tanta violência.

    Agostinho

Add your comment now


− 3 = seis