Porte de armas – Oficiais da reserva e reformados

Fw: PORTE DE ARMA/Reserva/Ref‏
De: Juarez Gomes
Enviada: sexta-feira, 19 de dezembro de 2008 22:35:45
Para: ;

Cel Inf ref do EB, teve arma apreendida em blitz policial sendo conduzido à delegacia de polícia.
Com a confusão, o caso virou um processo judicial.
Ao final..: O juiz em sentença (10/11/2008) inocentou o oficial, com fundamento no Estatuto dos Militares, conforme cito a seguir:
“o art 50, inciso IV, alínea” q”, da lei 6880/80, determina como sendo direito dos oficiais, ativos e inativos, o porte de arma, com a ressalva de não ser permitido nos casos de reforma por alienação mental, condenação em crimes contra a segurança do estado ou por atividades que desaconselham aquele porte.”
Considera ainda que o Estatuto do Desarmamento não pode anular ou revogar o Estatuto dos Militares, (que inclusive lhe é anterior.)
Assim, com fundamento no art 386, inciso III do Código de Processo Penal, o juiz julgou improcedente a ação movida contra o referido oficial, absolvendo-o das condutas ilícitas que lhe foram imputadas pelo que reza o caput da lei 11.343/2006) Lei do Desarmamento”.
_____________________________________________
PS- Divulgue para sua lista de militares FFAA, para dirimir possíveis dúvidas, quanto ao nosso legítimo direito legal, mas que o “desgoverno socialista”está a nos aviltar com uma legislação facciosa e de legitimidade discutível (o Estatuto do Desarmamento).LBL

, , ,
Trackback

2 comments untill now

  1. Que interessante…

    Isto já sabíamos, agora a pergunta que não quer calar é:

    O que vai acontecer com o agente policial que apreendeu a arma, o que vai acontecer com delegado que lavrou este auto de apreensão e finalmente o que vai acontecer com o promotor que deu prosseguimento a este processo contra o militar sendo que todos cometerem flagrante abuso de autoridade?

    Espero que o juiz em sua decisão tenham chamado as partes competentes e encaminhado para que os responsáveis sejam devidademente punidos, duvido que isto tenha acontecido, porque os Juízes raramente querem de fato resolver as coisas, no máximo tirando o deles da reta para eles esta bom.

    Quando era o EB que cuidava disso era melhor, a polícia era apenas força auxiliar e neste modelo ficaria fácil se enfiar uma lei que responsabilizasse aqueles que tivessem abuso de autoridade quanto ao assunto e não respeitassem os direitos legítimos emquadrando-os nalgum crime de natureza militar, para ter que reponder na justiça militar aí neguinho ia ficar mansinho mansinho.

  2. Silvio Messias @ 2013-02-11 21:26

    Com o respeito que tributo a toda pessoa humana, discordo dessa “notícia” e explico os motivos. Toda sentença, emanada de Juiz ou tribunal, é publicada em Diário Oficial. Nele, tem-se o nome das partes envolvidas e a autoridade prolatora. Omissões deliberadas como “Cel Inf ref do EB, teve arma apreendida em blitz policial sendo conduzido à delegacia de polícia” cobram perguntas: nome do militar?; data do fato?; delegacia de que cidade? Por final, releva informar que o “caput” (ou cabeça)(do art. 1º) da lei 11.343/2006 não se refere ao Estatuto do Desarmamento, mas sim, esta Lei institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas – Sisnad; UMA PEGADINHA DE PÉSSIMO GOSTO QUE NÃO MERECE SEQUER ATENTA LEITURA, QUANTO MAIS REPASSE AOS DESAVISADOS. MAS QUE FOI DIFUNDIDA COMO SE VERDADE FOSSE. UMA PENA

Add your comment now


um + = 5