Correio Brasiliense

Rodolfo Borges

Publicação: 24/11/2009 07:20

Desde o início deste ano, 11.350 brasilienses registraram suas pistolas e revólveres.

Apesar da facilidade do procedimento, os responsáveis pela campanha têm enfrentado dificuldades para convencer as pessoas que mantêm armas em casa a registrá-las. “É uma campanha difícil, porque fala-se em desarmamento há 17 anos e as pessoas ficam com medo de que o recadastramento seja uma estratégia para apreender suas armas”, comenta Garritano, cadastrado pela Federação Brasiliense de Tiro Esportivo.

O representante da ONG lembra que, até 2003, a propriedade de armas sem registro era classificada na lei apenas como contravenção penal, o que rendia a apreensão do armamento e uma multa irrisória ao contraventor. Por causa disso, ninguém se preocupava muito em registrá-las. “Mas a nova lei transformou a posse sem registro em crime e a minha função é convencer as pessoas de que, para elas, é um perigo ter a arma sem registro”, completa.

Colecionador de armas, o professor universitário Lúcio Castelo Branco compreende a resistência dos brasileiros, que preferem manter suas armas anônimas. “Essas pessoas não fizeram o cadastramento nem vão fazer. Elas não confiam no Estado”, considera. Para o professor do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB), que já recadastrou as armas de sua coleção, há pessoas que escondem as armas para não ter que reponder por crimes no caso de precisar usá-las.

Segundo a Delegacia de Repressão ao Tráfico Ilícito de Armas, da Superintendência da Polícia Federal do DF, neste ano foram registradas 11.350 na cidade. Desde 2005, quando a população decidiu pela permissão para o comércio de armas, foram registradas 42.575 armas na cidade — 20.810 por pessoas físicas, 16.184 para segurança pública e 4.031 para segurança privada.

Clique aqui e leia a íntegra da notícia

, , , , , ,
Trackback

2 comments untill now

  1. Sim por enquanto é gratuito mas a lei não garante esta condição ou seja, amanhã eles podem mudar o para valores exorbitantes e tenho certeza que farão, por enquanto estão no engana trouxa…

    Outras determinações também são normatizadas por portarias ou decretos coisa que permite sua fácil manipulação como o exame psicológico e o teste de proficiência.

    Sendo assim não se pode garantir o direito no futuro e o cidadão precavido faz bem em não confiar no governo.

  2. Porquê confiar num governo que que acoita e protege canalhas da estirpe de Cesare Baptiste? Porquê confiar num governo que concede habeas corpus a Cacciola, Nagi Nahas, Domingos Meirelles do Banco Oporttunity? Porque confiar num governo que fechou os olhos para as safadezas de Marcus Valério, Delúbio Soares, Roberto Silveirinha, um governo que nega a existência de Propinoduto, Mensalão etc..? Como confiar num governo que vomita na lata do lixo a vontade de 64% dos eleitores que disseram NÃO no referendo de 2005, quando, 8 dias após a publicação do resultado, o ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos publicou portaria restringindo e dificultando ainda mais a compra de munição? Qual garantia se pode ter de que as armas não serão aprendidas após cadastradas? Se pelo menos uma dessas perguntas puderem ser respondidas satisfatoriamente, então que as armas sejam recadastradas!

Add your comment now


um + = 8